31 de ago de 2008

RESPOSTAS SOBRE O LEILÃO JULIUS MEILI EM 1939 E SOBRE A HONRA DE HERMANN PORCHER.

Hoje, a exatamente 30 dias atrás, postei neste BLOG, ( veja íntegra da notícia postada em 30/07/08 - Leilão da Coleção Julius Meili em 1939), uma notícia sobre as principais peças da coleção Julius Meili, e encerrei o texto com a seguinte dúvida:
".......AFINAL ESTE LEILÃO DE 1939, FOI OU NÃO FOI O GRANDE LEILÃO DAS PEÇAS DA COLEÇÃO JULIUS MEILI?? AS QUAIS DEPOIS DE IDAS E VINDAS, ACABOU MESMO SENDO VENDIDA 30 ANOS DEPOIS DE SUA MORTE, NO BRASIL MESMO.???
GOSTARIA QUE OS ENTENDIDOS NO ASSUNTO ME RESPONDESSEM........SE ISSO ACONTECEU MESMO OU HÁ UM MAL ENTENDIDO NISTO TUDO.
A NUMISMÁTICA BRASILEIRA PRECISA DESTA RESPOSTA."

Bem durante o decorrer destes 30 dias, houve somente um única resposta postada no próprio BLOG, "nos comentários" (vide no final daquele texto), onde o numismata e filatelista Márcio Rovere Sandoval, que é sócio correspondente da AFSC - Associação Filatélica e Numismática de Santa Catarina, e que morou muitos anos em Florianópolis e atualmente mora no exterior há seis anos, e atento as coisas numismáticas no Brasil, fez o seguinte comentário:

"Sterling Numismatic disse... (postada resposta em 17/08/2008)
Muito interessante a informação sobre este leilão das peças da Coleção Julius Meili. O primeiro leilão que temos conhecimento referente a Meili ocorreu em Amsterdã em 1910, realizado por J. Shulman. Houveram outros leilões, como o de 1926 pela mesma empresa de Amsterdã. A maioria das peças da antiga Coleção Julius Meili estão no Museu Histórico Nacional no Rio de Janeiro (moedas) e no CCBB – Centro Cultural Banco do Brasil (papel-moeda), me parece, que no Museu do Banco Central em Brasília existem algumas peças da Coleção Meili ou por ele incluídas no seu livro – O Meio Circulante no Brasil, Parte III - A Moeda Fiduciária no Brasil, publicado pela primeira vez em 1903 (Zürich), com reedição recente pelo Senado Federal. Peças desta coleção se dispersaram e foram vendidas tanto no Brasil como no exterior. Um grande abraço, Marcio Rovere Sandoval Numismata
marciosandoval@hotmail.com."


Com esta resposta acima, a qual agradecemos ao colaborador, passamos a nos questionar que por de trás desta história toda deveria ter mais coisas a ser elucidada.


Fomos ao encontro Numismático de S. Paulo, ocorrido entre 21 a 23 de agosto ( veja postagem sobre este encontro no artigo anterior postado neste mesmo BLOG) e lá encontrei-me com o veterano numismata Dr. Roberto Vilella Lemos Monteiro, de S. Paulo, o qual é leitor e entusiasta dos textos numismáticos publicados pela SNP - Sociedade Numismática Paranaense, o qual é associado também, cujo Boletim, sempre colaboro com artigos e desta forma, nos conhecemos.


Entreguei-lhe a cópia do catálogo do Leilão das peças de Júlio Meili, ocorrida em 1939. O Dr. Roberto Vilella pegou o assunto como um desafio, o de dar-me uma resposta.


Para minha surpresa, recebi sua ligação em meu escritório em Curitiba, logo após o evento de S.Paulo, cerca de dois a três dias do término, e o resultado é que a dedicação deste colecionador veterano, em pesquisas em sua biblioteca de livros numismáticos, tão rapidamente, trouxe para mim e para a plebe da Numismática Brasileira, respostas sobre tudo o que pairou sobre a coleção Julius Meili. Isto é um exemplo de cidadania numismática, ou melhor, do comprometimento das coisas numismáticas.


Ao amigo Dr. Roberto Vilella, e ao Sr. Márcio Rovere Sandoval, meus sinceros agradecimentos.


A resposta elucidativa sobre a coleção de Julius Meili, também reconhecido no meio numismático como "PAI DA NUMISMÁTICA BRASILEIRA", toda esta questão sobre idas e vindas de sua coleção, por pesquisa e indicação do Dr. Roberto Vilella, estava publicada em 1990 no livro "Ouro em Pó e em Barras - Meio Circulante no Brasil" de autoria de KURT PROBER ou ISA CH'AN (nome de batismo na maçonaria), às páginas 35 a 37 daquela edição. Cujo texto reproduzo integralmente a seguir:


Coleção "Julius Meili" - Suiça - 1890 - 1907


Este colecionador era cidadão suiço, nascido em 13.03.1837 e falecido em 26.09.1907. No ano de 1870 veio ao Brasil ( Rio de Janeiro), tornando-se um excelente estudioso de nossa lingua e um numismata aficcionado e pioneiro.

Por volta de 1875 estabeleceu-se em Salvador (BA), como sócio da firma "Meili, Diethelm & Co." e algum tempo depois, tornou-se Consul da Suiça, na Bahia, onde foi aumentando a sua formidável coleção numismática brasileira e portuguesa, matéria sobre a qual ele foi paulatinamente publicando 8 obras de verdadeiro mestre, hoje consideradas "CLÁSSICAS", e que acabaram por lhe dar o cognome de PAI DA NUMISMÁTICA BRASILEIRA.

Já em 1890 tinha publicado o "Catálogo" de sua Coleção Brasileira de Medalhas do Império, com 37 pranchas (tamanho 4º), descrevendo 229 peças. Mas já desde 1905 vinha preparando um CATÁLOGO GERAL do mesmo setor (medalhística). que lamentavelmente não conseguiu terminar. Chegou a imprimir mais de 130 pranchas de ilustrações de medalhas para esta nova edição, faltando apenas imprimir a numeração das peças nestas pranchas, para então ser preparada a parte descritiva. A impressão tinha sido feita em folhas de cartão gessado de 24 x 32 cm. de forma impecável, pois Meili não costumava tirar fotos de suas peças, mas sim, de todas ele fazia MOLDES DE GESSO, que arrumados, eram fotografados pela clicheria como página completa, não ocasionando o "gesso fosco" os tão desagradáveis reflexos de luz.

Tendo falecido o autor, a tipografia depois naturalmente inutilizou todo este estoque de pranchas já impressas, mas alguém.......guardou o original e alguns jogos destas pranchas avulsas, e foram encontradas por volta de 1950 pelo livreiro ERICH EICHNER , numa de suas viagens pela Europa. Ele comprou todo este rebutalho e o trouxe para sua livraria KOSMOS, no Rio de Janeiro, Mais tarde me chamou para separar tudo em lotes vendáveis. Além do ORIGINAL, manuscrito, consegui formar 3 jogos de pranchas incompletos, que depois foram aqui vendidos, tendo eu conseguido comprar o jogo mais completo ( com 131 pranchas), que ainda tenho em minha biblioteca. Ainda hoje sou grato ao meu falecido Ir.: Eichner, há muito falecido.


DAQUI PARA FRENTE COMEÇAM A APARECER AS RESPOSTAS ( Grifo e título do Blogueiro)


Continuação do Texto de KURT PROBER/ ISA CH'AN.


Ao falecer, Julius Meili doou a sua fenomenal coleção de MOEDAS, MEDALHAS, PAPEL MOEDA, BIBLIOTECA e todos os seus Medalheiros ao SCHWEIZERISCHES LANDESMUSEUM, de Zurich ( Suiça), com a condição deste acêrvo NUNCA SER RETALHADO.

Mas o aludido MUSEU não soube respeitar a intenção altruística do doador, que queria ver preservado pela sua pátria, a SUIÇA, a maior coleção do mundo, então, de numismas brasileiros.

Já em 10.10.1910, o "honorável MUSEU tinha mandado vender em leilão, pela firma J. SCHULMAN, de Amsterdan ( Holanda) a magnífica biblioteca numismática de Julius Meili, repleta de obras raras, e em 3.4.1911 ainda, foram leiloadas as moedas Portuguesas e o que presumivelmente tenham sido pseudo-duplicatas ou peças da coleção que não constavam dos livros impressos, o que em inglês costuma chamar-se: de "ODDS and ENDS".


Passaram mais 20 anos, e de há muito a 1ª Guerra Mundial, quando o Museu , em 29.5.1931, escreveu uma carta ao Consul ALBERT GERTSCH, da Suiça no Rio de Janeiro, em que encarrega o consulado de encontrar aqui no Brasil um comprador para a famosa COLEÇÃO MEILI, que em 1907 recebera em doação, pois de repente achavam, que o material não lhes interessava, por não ser SUIÇO, e que preferiam beneficiar-se com os 50.000 Francos Suiços que o conjunto (então) deveria valer.


No Rio de Janeiro o único possível comprador gabaritado financeiramente, o Dr. Guilherme Guinle, não se interessou , pois não quis assumir o compromisso de NÃO RETALHAR A COLEÇÃO futuramente, como me contou em 1940. O Museu Histórico Nacional incipiente, que formou a sua seção de Numismática com o acêrvo vindo da Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, mal tinha conseguido pagar a coleção de PEDRO MASSENA (.....que teve de esperar 8 ou 10 anos pelo dinheiro....), por sua vez não tinha verba para compra de tal vulto, e além disto, estava "saturado" com as doações vultuosas recebidas do Dr. Guilherme Guinle.


Finalmente o Consulado Suiço encontrou um comprador, na pessoa do cidadão suiço PEDRO SPOERY, residente em São Paulo, que pensava fazer um belo negócio, mas acabou sendo ludibriado por sua inabilidade de negociar o conjunto, ainda mais depois da Revolução Constitucionalista de São Paulo de 1932. Era um conjunto GRANDE DEMAIS, para o ambiente numismático da época ( e ainda hoje seria...), sem ser retalhado para venda, impossível.


Assim, depois de 1932 o Sr. Spoery sumáriamente começou a vendendo particularmente certas peças raras, mas o que pensou ser fácil, para ele se tornou impossível na prática.


Nestas condições, a partir de 1936 o Sr. Pedro Spoery resolveu entregar a Coleção MEILI, desfalcada de algumas peças raras que ele já vendera diretamente ao sr. HERMANN PORCHER, e nesta última, durante 1947/1948 apenas, participei como "comanditário" etc..., para mim a pior experiência de minha vida.


Pois bem, com a Coleção MEILI, organizou o seu primeiro leilão em 20.03.1937, começando a retalhar a famosa coleção no setor OURO,PRATA, etc.


Daqui por diante, o DESTEMIDO KURT PROBER ( Veja texto que escrevi sobre sua morte - 1º texto publicado neste BLOG) faz uma pequena (nota) como ele cita, mas com uma CERTA DOSE DE SAGACIDADE próprio do PROBER, onde na defesa das causas numismáticas e de suas próprias causas, DESTRÓI REPUTAÇÕES E LANÇA CALÚNIAS, muitas vezes sem explicação lógica, no meio de seus vários textos de Numismática, que desta forma, chega até a transmitir ao leitor um certo desequilibrio do autor.

Em quase todas as suas OBRAS, chega-se a um ponto, onde ele o "destemido", pede um aparte e descasca toda sua fúria sobre alguém, assim, durante toda sua trajetória, acumulou muitos admiradores, mas também muitos inimigos e desafetos. Caberia até a um estudioso das obras de Prober, tentar ao menos desvendar "entender" este espírito, nas várias acusações que lançou, como "apartes" ou "notas". Algumas, devidas e outras de pura calúnia, manchando para sempre as reputações de alguns numismatas, através de suas obras.


(((Continuação de Prober.....NOTA) - Este cidadão era de nacionalidade guatemalteca, nascido em 1.9.1902, de conformidade com a Certidão de Nascimento nº 1958398, de 15.6.1925, do Registro Livro 42, Fls 417 de 4.9.1902, tinha o nome de GERMAN ROMANO, NOME, RETRATO, E ASSINATURA QUE AINDA USAVA NO PASSAPORTE DE 21.1.1926, nº 59 livro 108 fls 59. Mas pela Certidão nº 2311903 de 19.5.1925 se verifica, que em 19.12.1925 revolvera, ele próprio, fazer uma "NOVA INSCRIÇÃO" ( sem fazer qualquer referência ao registro de nascimento primitivo....), simplesmente DECLARANDO chamar-se GERMAN ROMANO PORCHER. Ao imigrar para o Brasil, poucos anos depois, aqui simplesmente adotou o nome de HERMANN PORCHER, e ao naturalizar-se BRASILEIRO, em Dezembro de 1953 ( veja jornal "O Estado de S.Paulo de 12.12.1953), mais uma vez mudou o nome para HERMANN PORCHER FILHO, nome que depois nunca usou. Toda esta documentação ORIGINAL está em meu arquivo. Já é falecido há cerca de 10 anos.)))


Pouco depois, já "inventou" uma Lista de Preços Fixos nº LXVII (67), e em abril de 1938 emitindo a lista seguinte....com o nº 78, em Dezembro de 1938 seguida pela de nº 89. Já na lista de fevereiro de 1939, ( nº 90), foram oferecidas as Barras de Ouro de Meili, nº 1815-V-167 por R$ 5:000$000 e nº 1816-SF-218 por R$ 4:500$000.


Em 10.4.1940 mimeografou o Boletim-Leilão nº 101, de preço fixo, e nele já anunciou a venda de vários "Medalheiros" avulsos, e dois deles COMPLETOS com a COLEÇÃO DE MOEDAS DE COBRE etc...1.070 peças pela bagatela de R$ 6:500$000. Veio em seguida um outro Leilão nº 6 em 30.11.1940, em que os dois medalheiros já eram vendidos a preços reduzidos.


Continuou fazendo listas de venda para em 31.12.1942 apresentar o Leilão nº 7, em que foi oferecido no lote nº 525 a Coleção Meili de "Moedas Portuguesas" ( 400 peças desde 1367 de prata) por RS 2:500$000 e o lote nº 528 com a Coleção MEDALHAS E CONDECORAÇÕES DO IMPÉRIO ( 1.097 peças, sendo 13 de Ouro) por Rs 10:000$000, e isto , quando em 31.3.1943, um Dobrão de Minas 20$000 - 4m 1725 era oferecido a por CR$ 2.500,00. Por sinal neste mesmo leilão já foi oferecida por CR$ 60.000,00 a Barra de Ouro de Meili nº 1830-SF-35, consignada por Waldemar Thiesen, do Rio Grande ( RS), que em 1935 a tinha comprado diretamente de Spoery.


Fui tão explícito neste relato, para preservar para as gerações futuras a verdadeira história e o triste fim da famosa coleção de JULIUS MEILI, que será sempre lembrado como o verdadeiro "Pai da Numismática Brasileira", e isto com muita justiça.


Tinha sido ele possuidor das seguintes barras de Ouro, por mim catalogadas ( nº 33 até 112)

Barra 1817 - V - 997 c/ guia ( 33)

Barra 1816 - S - 2050 c/guia ( 61)

Barra 1811 - SF - 770 s/ guia (66)

Barra 1817 - S - 2311 s/ guia (34)

Barra 1814 - S - 1672 s/ guia ( 62)

Barra 1816 - SF - 218 s/ guia ( 66)

Barra 1820 - SF - 20 s/ guia ( 35)

Barra 1816 - S - 3032 s/guia ( 63)

Barra 1830 - SF 25 c/ guia ( 112)

Barra 1804 -R - 1324 c/guia ( 60)

Barra 1815 - V - 167 s/ guia ( 64)


Ainda, para preservar para a posteridade , vai a seguir transcrito a tradução da carta de 29.5.1931 do Museu Suiço , vendendo a Coleção Meili.


Ao Embaixador da Suiça no Brasil

Sr. Albert Gertsch

Rio de Janeiro


Resp. Sr. Ministro.

Por recomendação do Conselheiro Dr. G. Keller, de AARAU, membro da Comissão do Museu Cantonal, e autorizado por esta, tomo a liberdade de me dirigir a vós, sobre um assunto do Museu Cantonal SUIÇO.

Como talvez seja de seu conhecimento, o Dr. Julius Meili, falecido em 1907 em Zuerich, durante a sua permanência como CONSUL da Suiça no Rio de Janeiro, organizou uma Coleção de Moedas e Medalhas e Papel Moeda Brasileiros, que foi por ele descrita em uma obra de 2 volumes com o título de "O MEIO CIRCULANTE BRASILEIRO". ( NOTA: Na verdade em 4 volumes).

Pela herança de MEILI, o Museu Cantonal da Suiça entrou em posse desta grande coleção. Como a nossa instituição, por lei, só deve colecionar ANTIGUIDADES SUIÇAS, esta coleção, embora muito valiosa, é em nosso acêrvo um " CORPO ESTRANHO".

Assim, sendo, as "autoridades administradoras" do Museu consultaram os herdeiros, se não lhes seria permitido VENDER ESTA COLEÇÃO, e denominando as antiguidades com o dinheiro como DOAÇÃO DA HERANÇA MEILI. Isto nos foi permitido, mas com a condição de ".....SER A COLEÇÃO VENDIDA EM BLOCO A UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA, seja do Govêrno ou a um MUSEU, POR SUA VEZ COM A CONDIÇÃO, QUE O CONJUNTO NÃO PODERIA SER RETALHADO.

Compreenderá V. Excia., que isto para nós é um problema de muito difícil solução, por se tratar de um valor relativamente elevado. Uma firma de renome mundial, de LONDRES, nos fez uma oferta de....50.000 Francos Suiços em OURO. Achamos, porém, que esta oferta É MUITO BAIXA, e além disto o comprador não nos poderia dar a garantia de não ser a coleção retalhada.

Sabemos, que atualmente a situação do Brasil não é "brilhante", mas não obstante tomamos a liberdade de nos dirigir a V, Excia. com a pergunta, se não vos seria possível entrar em contato com as autoridades do Governo, com a indagação, se não estariam interessados na aquisição desta coleção. O preço poderia ser discutido posteriormente. Pensamos numa base de 80.000 Francos Suiços.

Para sua orientação, permita-nos dar vos uma idéia do que seja esta coleção:

516 peças - Barras e Moedas de Ouro, Pêso total 6.163,83 Gr. Isto na cotação do ouro seriam

19.500,00 Francos Suiços;

729 peças - Moedas de Prata;

1814 peças - Moedas de Cobre, Latão, Chumbo, Alumínio e Estanho.

Total de 3.059 peças.

Além disto há ainda o acêrvo, uma coleção MENOR de MEDALHAS e uma COLEÇÃO COMPLETA de Moeda Fiduciária.

Agradecendo, Sr. Ministro, antecipadamente os seus préstimos, pelo que desde já vos expressamos o nosso agradecimento, subscrevemo-nos,


MUSEU CANTONAL DA SUIÇA em ZUERICH - assinatura: O Diretor, em 29.05.1931


Nota do Prober: Esquecido....da LEI que lhe proibia colecionar ANTIGUIDADES ESTRANGEIRAS, o Museu se tinha APRESSADO em receber a doação, e com tôda a proibição do conjunto ser retalhado, já em 1910 e 1911 se tinha vendido "pedaços" em leilões de Amsterdam. E finalmente agora ( 1931) 20 anos depois, ao invês de passar o ACÊRVO a um MUSEU GOVERNAMENTAL DA SUIÇA, colecionando objetos ESTRANGEIROS, estavam "preferindo" VENDER TUDO para entrar na posse do dinheiro....; LÁ COMO CÁ, MÁS FADAS HÁ... Nota: A coleção foi recebida por DOAÇÃO...., portanto, com anuência do MUSEU e NÃO por HERANÇA.".


Nota do BLOGUEIRO: Assim termina todas as dúvidas sobre a COLEÇÃO MEILI, suas idas e vindas e o RETALHAMENTO de sua coleção, a qual o próprio MEILI, doou sua coleção a um MUSEU SUIÇO, achando que iria ser preservada e acabou sendo vendida em pedaços e por vários anos, pelo menos em 40 anos subsequentes depois de sua morte, em virtude da grandiosidade de sua Coleção.


Neste mesmo livro de Kurt Prober, ele às páginas 64, continuava a falar sobre HERMANN PORCHER seu então DESAFETO, mas o curioso é que o PORCHER já havia falecido há dez anos quando em 1990 o Prober, ainda com muitos "ressentimentos" acusava uma pessoa que já não podia se defender:


Diz ele ainda:


HERMANN PORCHER. O que tinha a dizer sobre este cidadão, já foi dito no capítulo D) Ref. 1 ( Coleção Julius Meili). Mas devo esclarecer, que de Março de 1947 até 1949, estive associado (comanditário), organizando-lhe 9 leilões por correspondência ( nº 1 a 9) , tendo de desmanchar esta ligação, quando descobri, "que meu dinheiro vinha sendo usado para a compra de BOITES noturnas" , e não mais estava disponível para a compra de coleções numismáticas. A declaração por ele assinada no final do leilão nº 9 de 31.5.1949 foi a pá de cal do nosso relacionamento.

Durante este período de minha presença na firma NUNCA SE VENDEU NENHUMA BARRA "FALSIFICADA", embora várias nos tem sido oferecidas. Vendemos apenas as barras autênticas 1813-G-327 ; 1818-v-641 e 1932 SF - 114 ( com guia).

Em 1945 um conhecido colecionador, diretor de importante Banco no Rio de Janeiro, cansado de ser explorado, mandou fazer pelo "cartoonista Roland", duas magníficas "charges" sobre "moedas" e "barras" FALSAS, que vinham sendo impingidas aos numismatas, cujos "originais" recebi mais tarde, ao comprar os restos de sua coleção. Em 1953 já tinha mudado para a rua Cap.Salomão, 40 6º andar sala 602.

A "charge" de um "fardado contramarcando moedas", já foi publicada na Revista Numismática da S.N.B., de S. Paulo em 1947, num artigo "MARTELADA EM FALSO", e na época todo mundo reconheceu o "herói". A outra era um "negociante oferecendo uma barra FALSA" que ele mesmo publicou em 1945, num folheto ofensivo, é que depois distribuiu. No momento não encontro em meu arquivo nem o folheto nem o interessante desenho satírico. Mas se o encontrar, será naturalmente só a "charge" sem qualquer comentário, publicado na Introdução do Catálogo das "Barras Falsificadas e outras coisitas", pensando ter podido transmitir aos numismatas de hoje, e principalmente aos estudiosos do futuro, tudo o que revelaram as minhas pesquisas de mais de 50 anos, e muitos dados ainda complementados pelo Sr. Hans Kochmann, de São Paulo.

Sei que muita gente "bôa" não irá gostar da revelação de todas estas particularidades, mas para sanear uma numismática "vítima da exploração por parte de cidadões "irresponsáveis", ainda hoje, é preciso que a verdade seja dita, e ....divulgada.


ESTE é o VERDADEIRO KURT PROBER.

Ps. Vou ver se acho estas CHARGES e divulgo as imagens neste BLOG. Ele falava de dois comerciantes, um deles era o HERMANN PORCHER e o OUTRO era o SANTOS LEITÃO, do catálogo de moedas, sobre este último a história é longa e o PROBER, não poupa nem um pouco a honra dele. Talvez num futuro, passo a divulgar mais esta história sobre o SANTOS LEITÃO.

Abraços a todos.


João Gualberto Abib em 31/08/2008.
Obs. Charge inserida no BLOG em 01/08/2008, extraída da Revista Numismática do ano de 1947 em matéria de Kurt Prober/Isa Ch'an com título "Marteladas...em Falso...."




28 de ago de 2008

A IMPORTÂNCIA DOS ENCONTROS NUMISMÁTICOS

AMIGOS DA COMUNIDADE NUMISMÁTICA:

Estive em S. Paulo, a convite da SNB - Sociedade Numismática Brasileira, entre os dias 21 a 23 de Agosto, evento que se realizou no Hotel Grand C'adoro, localizado no início da Rua Augusta em S. Paulo.
Como sempre, nestes encontros nacionais é o momento ideal de troca de idéias com outros colecionadores e de suma importância para o aprimoramento do Numismata profissional.

Como, nestes encontros estão sempre presentes as grandes estrelas da Numismática Brasileira, com mesa de negociação, nós que somos iniciantes no ramo, temos a possibilidade do comércio daquelas peças que não conseguimos vender no mercado virtual, e lá nestas ocasiões, quando uma raridade está em suas mãos, sempre aparece um candidato para a compra.

O inverso também ocorre, àquela peça que você sempre procurou no mercado virtual ( leilões do mercado livre e lojas numismáticas virtuais) e já esta cansado de procurar e nunca acha, nestes encontros, sem muitas surpresas, sempre tem alguém que possui a raridade desejada.

Em S. Paulo, também, por ser a capital Numismática Brasileira, (onde concentra-se o maior número de comerciantes da área), o conterrâneo e sempre saudoso Cícero de Lima, sempre falava: "São Paulo é a Méca", e se lá não encontrar a peça que procura, somente com muita sorte encontrará em outros eventos numismáticos, pois nestes encontros de S. Paulo vêm colecionadores de toda parte do Brasil e do Mundo.

Por isso, que nestes encontros promovidos por várias sociedades e associações numismáticas pelo Brasil afora, é definida uma vez ao ano, na famosa reunião de PRESIDENTES, que acontece sempre quando do principal evento brasileiro, o Congresso Latino-Americano de Numismática. Assim, é divulgado oficialmente o CALENDÁRIO NUMISMÁTICO dos eventos para o ano seguinte.
Temos ainda, por se realizar os seguintes encontros OFICIAIS até o final do ano de 2008. A saber:
a) 12 a 13 de Setembro - Encontro de Multicolecionismo do Ceará - em Fortaleza;
b) 26 a 27 de Setembro - Encontro Nacional da SNP Sociedade Numismática Paranaense;
c) 17 a 19 de Outubro - Encontro Nacional de Taquara - RS promovido pela CFNT;
d) 25 de Outubro - Reunião Social Dedicada - da S.N.B.
e) 04 a 07 de Dezembro - VI Congresso Latino Americano de Numismática pela S.N.B.

Há ainda, outros encontros promovidos por outras sociedades numismáticas, com datas determinadas fora da reunião de presidentes, e que acabam mais atrapalhando do que ajudando, pois certamente, e infelizmente, acabam marcando datas coincidentes com outras datas já definidas pelo Calendário Oficial. Uma verdadeira bagunça.

Como exemplo, cito o encontro numismático de BLUMENAU em Santa Catarina que vai ocorrer em data coincidente com o encontro do Paraná, agora em setembro. Eu mesmo, gostaria de ir ao encontro de BLUMENAU, mas, não poderia deixar de prestigiar o encontro oficial do meu estado.
Como resultado, ambos os encontros, ficam comprometidos de público frequentador.

Não que não se deva fazer eventos fora do Calendário, mas desde que se observe a data oficial dos outros eventos. Como exemplo, cito o evento que vai se realizar nos dias 07 a 09 de novembro deste ano, em Brasília, promovido pelos amigos de lá, o Cléber Coimbra e o Luiz Gonzaga Teixeira Borba. Sucesso a ambos, e com certeza os outros eventos de Brasília já estarão definidos para o próximo ano no Calendário Oficial.

Aconselho a todas as sociedades, associações e ou clubes numismáticos, sediadas em território nacional, que participem da reunião de presidentes, que acontece sempre no CONGRESSO LATINO-AMERICANO DE NUMISMÁTICA, para definirem o calendário de uma forma OFICIAL, evitando assim, esta confusão de acontecer dois eventos na mesma data em lugares distintos.
Mas, voltando ao encontro ocorrido em S. Paulo entre 21 a 23 de agosto, lá, estive com mesa de negociação compartilhada com o conterrâneo Adriano Guimarães. Pois, fui ao encontro de S. Paulo meio que no improviso, sem confirmar presença e sem reservar mesa, mas lá chegando, encontrei o amigo Adriano e já fui perguntando se ele me cederia a metade da mesa e pela sua concordância, tudo transcorreu com mais tranquilidade.

Ir aos encontros numismáticos, é acima de tudo, um INVESTIMENTO, mas como todo investimento, há necessariamente de se ter RETORNO, pelo menos para mim, que sou numismata profissional e tenho pretensão de ter rendimentos oriundos desta atividade. Em cada encontro, conta muito a logística do transporte das peças que se leva, da distância kilométrica do evento, da decisão do tipo de transporte, se vai de avião ou de carro, do excesso de bagagem que sempre se paga às companhias aéreas e ao custo do hotel e ao número de dias que se ficará no evento.

Por isto, desta vez, acabei indo de carro, convidei o meu amigo Roberto Keller para ir junto, pois além dele ter familiares naquela cidade, não gastaria nada de hotel e o que é melhor, ele conhece S.Paulo como a palma da mão. Foi me guiando até o Hotel C'adoro. O Roberto é meu amigo pessoal e de minha grande estima, já foi meu funcionário quando iniciei na numismática, mas infelizmente, pelos parcos lucros na atividade, resolvi dispensá-lo, agora, ele além de ser meu amigo, também é entusiata da numismática e, eventualmente, contribui ainda com pesquisas numismáticas em geral. Pessoa que só tenho a agradecer.

Mas, o melhor deste encontro de S. Paulo, foi rever o amigo Cristiano Bierrembach, que veio ao Brasil pela Heritage de Dallas, onde trouxe grande quantidade de peças de ouro e prata. Até arrisquei comprar algumas peças. Pessoa de grande importância para a Numismática Brasileira, foi Diretor Técnico da SNB e entra para a História Numismática, como o primeiro brasileiro a assumir um cargo de direção numa empresa de leilões internacionais. Uma raridade neste mundo profissional de numismática. Parabéns pela sua magnífica carreira e esperamos que sempre venha aos encontros brasileiros.

Lá, neste encontro, também revi os amigos Cláudio Amato e o Irlei Soares das Neves, editores dos Catálogos, tanto de Cédulas do Brasil, como o de Moedas do Brasil. A edição do Catálogo de Cédulas foi atualizada em 2007, e o de Moedas do Brasil a última edição foi em 2004, mas agora, pela iniciativa deles, será feita a edição atualizada de 2008, cuja decisão foi divulgada a todos em forma de convite aos numismatas para fazerem seus anúncios neste novo Livro das Moedas do Brasil (catálogo). Com certeza, farei anúncio e não preciso dizer que o mercado como um todo já esperava esta iniciativa. Com o falecimento do Arnaldo Russo, predecessor do catálogo, que fazia todos a usarem a expressão AR nº ____ por vários anos, agora se firma o AI nº_____ ( AI é a referencia do Catálogo de Amato e Irlei) eu mesmo passei a usar a expressão AI____ desde o ano de 2005 nos meus anúncios do Mercado Livre e também nos envelopes das moedas que comercializo. Parabéns a ambos pela salutar iniciativa da renovação deste catálogo, que é imprescindível seu uso por todos os colecionadores de moedas brasileiras.

Não poderia de deixar de registrar o encontro com o veterano numismata Dr. Roberto Vilella Lemos Monteiro, de S. Paulo, o qual é leitor e entusiasta dos textos numismáticos publicados pela SNP - Sociedade Numismática Paranaense, o qual é associado também, cujo Boletim, sempre colaboro com artigos e desta forma, nos conhecemos. Entreguei-lhe a cópia do catálogo do Leilão das peças de Júlio Meili, ocorrida em 1939 e como este assunto é matéria já publicada neste BLOG, (veja Leilão das peças de Julius Meili em 1939) cujo texto desafia a elucidação de alguns aspectos. O Dr. Roberto Vilella pegou o assunto como um desafio, o de dar-me uma resposta. Para minha surpresa, recebi sua ligação em meu escritório em Curitiba e falamos sobre o assunto. A dedicação deste colecionador veterano, trouxe para mim e para a plebe da Numismática, respostas sobre tudo o que pairou sobre a coleção Julius Meili e vou publicar logo, logo, sobre isto neste BLOG. Isto é um exemplo de cidadania numismática, ou melhor, do comprometimento das coisas numismáticas. Ao amigo Dr. Roberto Vilella, meus sinceros agradecimentos.

Bem, vou parando por aqui, dei um pouco de informações sobre o evento realizado em S. Paulo. Parabéns a todos que participaram deste evento, inclusive o leilão (venda sob ofertas) promovido pela SNB Sociedade Numismática Brasileira, com várias peças raras, cuja venda deu-se com muito sucesso, objeto da capa do catálogo de Leilão, publicada no início deste texto, neste BLOG.

texto de : Joao Gualberto Abib.

26 de ago de 2008

NUMISMÁTICA – CRESCIMENTO COMO CIÊNCIA E COMO MERCADO

Afinal, o que é Numismática? Do ponto de vista acadêmico, é uma “ ciência auxiliar da história”. Já do ponto de vista do colecionismo, alguns pensam de uma forma simplista, acreditando ser apenas a abrangência de coleção de Moedas, Cédulas e Medalhas e para outros com a inclusão das Ordens Honoríficas, ditas Condecorações e ainda elementos de Heráldica.

Na verdade é tudo isto junto e indivisível, a CIÊNCIA e o MERCADO, mas nunca esqueçamos que da primeira deriva a segunda e ambas devem crescer e caminhar juntas.

Vou até mais longe, não acredito que a CIÊNCIA numismática cresça sem crescer o MERCADO e vice e versa. Pois um depende do outro, sem estudo não há como se determinar a raridade, um elucida o outro, um dá LUZ ao outro, traduz-se em sabedoria e conhecimento e disso tudo deriva o MERCADO.

Sua denominação advém de NUMUS ou NUMISMA, que significa em latim – MOEDA.

É salutar assim, entender uma afirmativa do grande Mestre Dr. Álvaro da Veiga Coimbra, que foi professor da cadeira de Numismática da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo em 1956 e que sem dúvida, talvez, tenha sido o associado mais culto e preparado, no exercício da Presidência da Sociedade Numismática Brasileira. Vejamos sua afirmação já no início do seu livro lançado em 1957 sobre Noções de Numismática:
“É imprescindível ao numismata, possuir uma sólida cultura geral, nomeadamente histórica. O Numismata, como especialista que é do estudo de uma determinada espécie de objetos, neste caso a MOEDA, que faz parte da vida do homem e desempenha papel preponderante nas relações comerciais, tem necessidade de enquadrá-la no meio histórico social onde nasceu e estudá-la como um produto que é do viver dos povos a que pertence.”

A Numismática é uma ciência e comprovadamente é mesmo. Acredito que somente com estudos constantes se dá o aprimoramento intelectual e profissional dos numismatas, principalmente no entendimento histórico e no discernimento da interpretação sobre estes conhecimentos adquiridos e que devem ficar registrados para as futuras gerações. Destas novas pesquisas virão novos conhecimentos e talvez, até novas descobertas não registradas nos anais da Numismática.

Mas afinal, o que quero dizer com isso? Quero com esta introdução até aqui explanada, chamar a atenção dos numismatas que a Numismática não é só COLECIONISMO, é antes de tudo, a PESQUISA e devemos por OBRIGAÇÃO incentivá-la, pois somente através dela descobriremos coisas novas na Numismática Brasileira.

Numa destas reuniões aos sábados, expus uma idéia na Sociedade Numismática Paranaense, da qual sou membro e também Diretor de Divulgação, perante nosso presidente Sr. Marcos Lepca e com presença do Sr. Antonio Tomaz Secretário da SNP e do associado e amigo Roberto Keller, onde propunha que a SNP deveria incentivar a PESQUISA NUMISMÁTICA com prêmios em dinheiro, prêmios anuais, no valor talvez de R$ 18.000,00 no TOTAL, sendo R$ 10.000,00 para o primeiro lugar, R$ 5.000,00 para o segundo lugar e R$ 3.000,00 para o terceiro lugar, onde junto a comunidade acadêmica divulgássemos estes prêmios, com o intuito de assim incentivar a PESQUISA NUMISMÁTICA e com elas FAZER NOVAS DESCOBERTAS, envolvendo docentes e alunos de último ano de faculdades de História, Economia e Direito junto as Universidades do Paraná.
Vejam o grau de envolvimento destes Universitários de último ano, onde atingiríamos uma gama de pessoas e despertaríamos todos para um MERCADO até então pouco divulgado. Sem dúvida criaria todos os anos uma grande CORRIDA de todos na PESQUISA com o intuito de se chegar em primeiro, segundo e terceiro lugar. Afinal, quem não quer ganhar um prêmio em final de curso?

Faríamos coincidir a entrega dos prêmios num dos encontros nacionais de Numismática, promovidos pela SNP, com solenidade e entrega dos prêmios e com acompanhamento de um Diploma aos participantes. Nestes encontros estariam juntos, a CIÊNCIA representada pelos acadêmicos e mestres universitários, e o MERCADO, representados pelos colecionadores e comerciantes de Numismática.

Parece uma idéia maluca? Primeiramente vamos em outras atividades das ciências, observar o que acontece. Salvo engano, existem prêmios para a comunidade científica nas áreas de Farmacologia e de Medicina. O que motiva por si só a PESQUISA nestas áreas é o alcance destes prêmios e a dedicação exímia de todos os envolvidos. Assim sempre cresce as ciências médicas e a de novas descobertas medicamentosas, cresce portanto a CIÊNCIA E O MERCADO. Um caminha ao lado do outro.

Já na Numismática, imaginem, Professores Universitários, alunos de último ano, familiares destes alunos, todos imbuídos em apresentar NOVAS DESCOBERTAS para se ganhar um prêmio. Certamente com isso, despertaria em todos os envolvidos a descoberta de catálogos, de mercado, de Sociedades Numismáticas e o resultado disso tudo, seriam novas filiações nestas Sociedades e um crescimento até, porque não, do Mercado Numismático como um todo.

Mas, para esta idéia ser posta em prática, esbarramos num ponto crucial: de onde sairiam os recursos para estes prêmios?? Eu respondo sem dúvida alguma. Sairiam de doações voluntárias entre os Associados. Pois bem, mas com qual interesse eles fariam as doações?? Ainda mais voluntárias?? Eu respondo com uma pergunta: Qual associado comerciante de moedas não quer o crescimento do mercado Numismático?
Somente com prêmios em PESQUISA solucionaríamos dois problemas com o mesmo trabalho.Vamos ter resultados em NOVAS DESCOBERTAS, que resultarão em novas publicações, assim crescerá a PESQUISA como um todo e como prêmio por este sucesso, sem dúvida crescerá o MERCADO, coisa que todo comerciante sempre reclama, mas nada faz para entender a DINÂMICA das coisas na Numismática.

Com a certeza do sucesso da implantação desta idéia junto a SNP – Sociedade Numismática Paranaense, eu mesmo como membro desta mesma sociedade proponho a doação voluntária de R$ 1.000,00 ( Hum Mil Reais). Faltam agora somente R$ 17.000,00 ( Dezessete Mil Reais) que se tivermos doações de 250,00 – 500,00 e 1.000,00 Reais, logo temos a totalidade dos prêmios para o lançamento desta idéia, que sem dúvida pode mudar o rumo da Numismática brasileira..

Com esta dinâmica entrarão novos personagens, com novos pensamentos, novas pesquisas e certamente, novos resultados. Com certeza, com este envolvimento todo, nascerão novos colecionadores que impulsionarão o Mercado para um crescimento constante, pois estes prêmios serão anuais e esperamos que continuadamente.

Caso os associados que leiam esta matéria, estejam de acordo com a propositura destas idéias ou queiram ainda, subsidiar com novas opiniões e até de pronto demonstrar que se for para valer, estarão dispostos a colaborar, fiquem à vontade para fazer suas doações voluntárias.

Estamos abertos para ouvir e receber críticas, sugestões ou até demonstrações de apoio a causa proposta.

Lembro que esta idéia é um CAMINHO, que do meu ponto de vista deve ser TRILHADO por todos, tanto pela SNP quanto pelas outras Sociedades Numismáticas.

Aguardo assim, notícias e apoio a respeito.

Contato: João Gualberto Abib - Diretor de Divulgação da SNP. (então diretor hoje demissionário)
TEXTO PUBLICADO ORIGINARIAMENTE NO BOLETIM n° 33 DA S.N.P. - Sociedade Numismática Paranaense, em Dezembro de 2007, folhas 07 a 10.
NÃO PRECISO DIZER O RESULTADO DESTA PROPOSTA, POIS POUCOS COMERCIANTES SABEM QUE NUMISMÁTICA É CIÊNCIA, PENSAM QUE É SÓ COMÉRCIO DE COLECIONÁVEIS. UMA LÁSTIMA EM TÊRMOS CULTURAIS E CIENTÍFICOS, O ATUAL MOMENTO VIVIDO.
GOSTARIA MUITO QUE AS PESSOAS QUE APROVAM ou DESAPROVAM ESTAS MINHAS PROPOSTAS, EXERCESSEM SEU PONTO DE VISTA NESTE BLOG.

20 de ago de 2008

VENDA SOB OFERTA VIRTUAL DE 19 PATACÕES 960 RÉIS

Olá Amigos da Comunidade Numismática e já clientes do ABIBONDS:

ESTA VENDA SOB OFERTA É SÓ PARA CONVIDADOS QUE JÁ RECEBERAM E-MAIL DE CONFIRMAÇÃO.

ESTA VENDA INICIOU-SE DIA 20/08/08 E FOI ENCERRADA ÁS 22:00 HORAS do DIA 24/08/2008. - O RESULTADO FINAL DAS OFERTAS É O ABAIXO:

LOTE 01 - João Frediani de Macaé - RJ
LOTES 02 - 04 - 05 - 06 - 07 - 09 - 10 - 11 - 12 - 13 - 15 - 18 - Pedro Henrique Fontelles de Albuquerque de Fortaleza - CE
LOTE 03 - Marcus Venícius Feitosa - Vilarouca de Fortaleza - CE
LOTE 08 - Samuel Otávio Moreira Ribeiro - de Belo Horizonte - MG
LOTES 14 e 16 - Paulo Márcio Costa - Rio de Janeiro - RJ
LOTES 17 e 19 - Ildemar Margraf de Ponta Grossa - PR

AGRADEÇO A TODOS QUE PARTICIPARAM DESTA "VENDA SOB OFERTAS", INCLUSIVE E ESPECIALMENTE AOS QUE NÃO CONSEGUIRAM NENHUMA PEÇA, MAS TERÃO NOVAS OPORTUNIDADES E SERÃO CONVIDADOS NOVAMENTE.
AGRADEÇO PELA PARTICIPAÇÃO DE TODOS E A CONFIANÇA DEPOSITADA.

ATT. Joao Gualberto Abib


Abraços e boa sorte a todos, vejam os lotes abaixo:

Lote 01 - 960 Réis 1824 R - 28 tulipas, Recunhado sobre Lima - Ferdin VII - J.P. 18?? MBC - AI 505
26,5 Gramas e 40mm. de diâmetro ( com toque de tentativa de furo ao lado da corôa)
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960040.jpg
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960041.jpg
Valor inicial de leilão = R$ 70,00
a) tenho OFERTA de R$ 70,00 pelo Vilarouca de Fortaleza
b) tenho OFERTA de R$ 80,00 pelo Rui Ribeiro Nunes de Belo Horizonte
c) tenho OFERTA de R$ 82,00 pelo Vilarouca de Fortaleza
d) Tenho OFERTA de R$ 100,00 do Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza
f) Tenho OFERTA de R$ 105,00 do Vilarouca de Fortaleza
g) Tenho OFERTA de R$ 120,00 do Ary Alexandre de Floripa
h) Tenho OFERTA de R$ 130,00 do Joao Frediani de Macaé - RJ
VENDA ENCERRADA ÀS 22:00 DE 24/08/2008


LOTE 02 - 960 RÉIS 1818 R - Galhos Duplos - Recunho s/ Sol Argentino de 1813 - MBC/SOBERBA - AI 476B
26,5 Gramas e 40 mm de diâmetro - Variante GD2A (Galhos Duplos)

http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960038.jpg
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960039.jpg
Valor Inicial de Leilão = R$ 150,00
a) Tenho OFERTA de R$ 180,00 do ARY ALEXANDRE Florianópolis - SC
b) Tenho OFERTA de R$ 240,00 do Guaragna de Porto Alegre - RS
c) Tenho OFERTA de R$ 250,00 do Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza
VENDA ENCERRADA ÀS 22:00 DE 24/08/2008

LOTE 03 - 960 RÉIS 1815 R - Recunhada s/ Santiago F.J. " Sº " Variante 18 J escassa - MBC - AI 425
26,7 Gramas e 40 mm de diâmetro (obs. sobre Chile Independente é comum, sobre Santiago Sº é mais difícil)
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960036.jpg
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960037.jpg
Valor Inicial de Leilão = R$ 90,00
a) tenho OFERTA de R$ 90,00 do Vilarouca de Fortaleza


b) tenho Oferta de R$ 100,00 do Ari Alexandre de Floripa

c) Tenho OFERTA de R$ 105,00 do Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza

e) Tenho OFERTA DE R$ 110,00 do Vilarouca de Fortaleza

VENDA ENCERRADA ÀS 22:00 DE 24/08/2008


LOTE 04 - 960 RÉIS 1814 R - Recunhada s/ Santiago F.J. Ferdin VII 1814 - (DATA S/ DATA) MBC - AI 424
26,9 Gramas e 40mm. de diâmetro ( obs. s/Chile Independente é comum, sobre Santiago Sº é mais difícil)
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960018.jpg
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960019.jpg
Valor Inicial de Leilão = R$ 90,00
a) Tenho OFERTA de R$ 90,00 do Vilarouca de Fortaleza

b) Tenho OFERTA de R$ 105,00 do Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza

VENDA ENCERRADA ÀS 22:00 DE 24/08/2008

LOTE 05 - 960 RÉIS 1819 R - Recunhado s/ Peso Chile Independente 1817 (aparente) MBC AI 477
26,9 Gramas e 40 mm. de diâmetro (bem aparente o recunho) Linda peça. Variante 20A CR
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960014.jpg
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960015.jpg
Valor Inicial de Leilão = R$ 80,00
a) tenho OFERTA de R$ 80,00 pelo Vilarouca de Fortaleza
b) tenho OFERTA de R$ 83,00 pelo Renault do RJ
c) tenho OFERTA de R$ 90,00 pelo Vilarouca de Fortaleza

d) Tenho OFERTA de R$ 105,00 do Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza

VENDA ENCERRADA ÀS 22:00 DE 24/08/2008



LOTE 06 - 960 RÉIS 1819 R - Recunhado s/ Chile Independente 1817 MBC++ AI 477
26,7 Gramas e 40mm. de diâmetro.

http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960016.jpg
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960017.jpg
Valor Inicial de Leilão = R$ 80,00
a) tenho OFERTA de R$ 80,00 do Renaut do RJ
b) tenho OFERTA de R$ 100,00 de Samuel Otavio de MG

c) tenho OFERTA de R$ 120,00 do Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza

d) tenho OFERTA de R$ 130,00 d0 Samuel Otávio M.Ribeiro de MG

e) tenho OFERTA de R$ 140,00 do Guaragna de Porto Alegre

f) Tenho OFERTA de R$ 150,00 do Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza

VENDA ENCERRADA ÀS 22:00 DE 24/08/2008


LOTE 07 - 960 RÉIS 1818 R (GALHOS DUPLOS) Recunhado s/ Chile Independente 1817 - MBC AI 476B
26,9 Gramas e 40mm. de diâmetro.Galhos Duplos

http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960020.jpg
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960021.jpg
Valor Inicial de Leilão = R$ 100,00
a) Tenho oferta de R$ 100,00 de Samuel Otavio de MG

b) Tenho Oferta de R$ 120,00 do Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza

VENDA ENCERRADA ÀS 22:00 DE 24/08/2008


LOTE 08 - 960 RÉIS 1818 R (GALHOS SIMPLES) Recunhado s/ Chile Independente 1817 - MBC AI 476
27,0 Gramas e 40 mm de diâmetro - Galhos simples

http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960022.jpg
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960023.jpg
Valor Inicial de Leilão = R$ 80,00
a) tenho OFERTA de R$ 80,00 do Vilarouca de Fortaleza
b) tenho OFERTA de R$ 83,00 do Renault do RJ
c) tenho OFERTA de R$ 90,00 do Vilarouca de Fortaleza
d) Tenho OFERTA de R$ 100,00 do Samuel Otávio de MG

e) Tenho OFERTA de R$ 120,00 do Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza

f) Tenho OFERTA de R$ 130,00 do Samuel Otávio M. Ribeiro de MG

g) Tenho Oferta de R$ 140,00 do Guaragna de Porto Alegre

h) Tenho OFERTA de R$ 150,00 do Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza

i) Tenho OFERTA de R$ 160,00 do Samuel Otávio de Minas Gerais

VENDA ENCERRADA ÀS 22:00 DE 24/08/2008


LOTE 09 - 960 RÉIS 1818 R - Recunhado s/ Chile Independente 1817 - e Cunho Rachado MBC AI 428
26,9 Gramas e 40mm de diâmetro - Variante 27A
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960024.jpg
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960025.jpg
Valor Inicial de Leilão = R$ 80,00
a) tenho OFERTA de R$ 80,00 do Vilarouca de Fortaleza
b) tenho OFERTA de R$ 83,00 do Renault do RJ
c) tenho OFERTA de R$ 90,00 do Vilarouca de Fortaleza

d) Tenho OFERTA de R$ 105,00 do Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza

VENDA ENCERRADA ÀS 22:00 DE 24/08/2008


LOTE 10 - 960 RÉIS 1818 R - Recunhado s/ chile Independente 1817 - MBC - AI 428
26,5 Gramas e 40mm de diâmetro
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960026.jpg
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960027.jpg
Valor Inicial de Leilão = R$ 80,00
a) tenho OFERTA de R$ 82,00 do Vilarouca de Fortaleza
b) tenho OFERTA de R$ 83,00 do Renault do RJ
c) tenho OFERTA de R$ 86,00 do Vilarouca de Fortaleza

d) Tenho Oferta de R$ 95,00 do Guaragna de Porto Alegre

d) Tenho OFERTA de R$ 105,00 do Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza

VENDA ENCERRADA ÀS 22:00 DE 24/08/2008


LOTE 11 - 960 RÉIS 1818 R -GALHOS DULOS Recunhado s/ Chile Independente 1817 - MBC - AI 476B
26,5 Gramas e 40 mm. de diâmetro - Variante 18 B

http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960030.jpg
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960031.jpg
Valor Inicial de Leilão = R$ 100,00
a) Tenho OFERTA de R$ 150,00 do Guaragna de Porto Alegre

b) Tenho OFERTA de R$ 170,00 do Ari Alexandre de Florianópolis

c) Tenho OFERTA de R$ 180,00 de Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza

VENDA ENCERRADA ÀS 22:00 DE 24/08/2008


LOTE 12 - 960 RÉIS 1818 R - (DATA SOBRE DATA) Recunhado s/ Chile Independente 1818 - MBC - AI 476
26,7 Gramas e 41 mm de diâmetro - Disco maior 41mm. e MOEDA C/ FURO
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960032.jpg
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960033.jpg
Valor Inicial de Leilão = R$ 100,00
a) Tenho OFERTA de R$ 130,00 do ARY ALEXANDRE de Florianópolis

b) Tenho OFERTA de R$ 140,00 do Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza

VENDA ENCERRADA ÀS 22:00 DE 24/08/2008


LOTE 13 - 960 RÉIS 1819 R - Recunhado s/ Chile Independente 1818 - SOBERBA - AI 477
27,3 Gramas e 40mm. de diâmero - (recunho aparente e peça muito bonita)

http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960028.jpg
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960029.jpg
Valor Inicial de Leilão = R$ 80,00
a) tenho OFERTA de R$ 80,00 do Renault do RJ
b) tenho OFERTA de R$ 85,00 do Rui Ribeiro Nunes - Belo Horizonte
c) tenho OFERTA de R$ 94,00 do Renault do RJ

d) Tenho OFERTA de R$ 110,00 do Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza.

e) Tenho OFERTA de R$ 120,00 do Renault do Rio de Janeiro

f) Tenho OFERTA de R$ 130,00 do Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza

g) Tenho OFERTA DE R$ 140,00 do Samuel Otávio de Minas Gerais

h) Tenho OFERTA de R$ 145,00 d0 Guaragna de Porto Alegre

i) Tenho OFERTA de R$ 150,00 do Samuel Otavio de Minas Gerais

j) Tenho OFERTA de R$ 170,00 do Guaragna do Porto Alegre

k) Tenho OFERTA de R$ 180,00 do Pedro Henrique de Fortaleza

VENDA ENCERRADA ÀS 22:00 DE 24/08/2008


LOTE 14 - 960 RÉIS 1815 B (BAHIA) - Recunho sobre Sevilha 1808 - mbc/sob - AI 400
26,9 Gramas e 40mm de diâmetro - Peça muito bonita.

http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960010.jpg
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960011.jpg
Valor Inicial de Leilão = R$ 100,00
a) Tenho OFERTA de R$ 100,00 do Paulo Marcio Costa do Rio Janeiro

b) Tenho OFERTA de R$ 110,00 do Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza

c) Tenho OFERTA de R$ 115,00 d0 Vilarouca de Fortaleza.

d) Tenho Oferta de R$ 130,00 do Pedro Henrique de Fortaleza

e) Tenho Oferta de R$ 136,oo do Paulo Marcio Costa do Rio Janeiro

VENDA ENCERRADA ÀS 22:00 DE 24/08/2008

LOTE 15 - 960 RÉIS 1816 R (RIO) - Recunho sobre Sevilha C.J.1816 (DATA S/ DATA) MBC AI 426
26,7 Gramas e 40mm. de diâmetro - (DATA SOBRE DATA) É ESCASSA. variante 53
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960008.jpg
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960009.jpg
Valor Inicial de Leilão = R$ 100,00

a) Tenho OFERTA de R$ 100,00 de Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza

b) Tenho OFERTA de R$ 130,00 do Ary Alexandre de Floripa

c) Tenho Oferta de R$ 140,00 do MARGRAF de Ponta Grossa

d) Tenho OFERTA de R$ 150,00 do Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza

VENDA ENCERRADA ÀS 22:00 DE 24/08/2008

LOTE 16 - 960 RÉIS 1816 B ( BAHIA) - Recunho sobre 20 Reales de Joseph Napoleão - mbc/sob AI 401
26,7 Gramas e 39 mm. de diâmetro - Joseph Napoleão cunhados em 1808 e 1809 na Espanha
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960006.jpg
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960007.jpg
Valor Inicial de Leilão = R$ 120,00
a) Tenho OFERTA de R$ 120,00 d0 Paulo Marcio Costa do Rio de Janeiro

b) Tenho OFERTA de R$ 130,00 do Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza

c) Tenho OFERTA de R$ 140,00 do Jayme Paiva do Rio de Janeiro

d) Tenho OFERTA de R$ 150,00 do Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza

e) Tenho OFERTA de R$ 154,00 do Paulo Marcio Costa do Rio de Janeiro

VENDA ENCERRADA ÀS 22:00 DE 24/08/2008


LOTE 17 - 960 RÉIS 1815 B (BAHIA) - Recunho sobre 20 Reales de Joseph Napoleão1809 - mbc/sob. AI 400
26,7 Gramas e 40 mm. de diâmetro - Joseph Napoleão de 1809 . A.I. - Variante 5 C

http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960002.jpg
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960003.jpg
Valor Inicial de Leilão = R$ 120,00
a) Tenho OFERTA de R$ 120,00 do MARGRAF de Ponta Grossa - PR
b) Tenho OFERTA de R$ 130,00 do Paulo Márcio Costa do Rio Janeiro
c) Tenho OFERTA de R$ 140,00 do Ildemar MARGRAF de P.Grossa-PR

d) Tenho OFERTA de R$ 150,00 do Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza.

e) Tenho OFERTA DE R$ 160,00 do Jaime Paiva do Rio de Janeiro

f) Tenho OFERTA de R$ 170,00 do MARGRAF de P. Grossa.

g) Tenho OFERTA DE R$ 180,00 do Pedro Henrique de Fortaleza.

h) Tenho OFERTA de R$ 190,00 do MARGRAF de Ponta Grossa.

VENDA ENCERRADA ÀS 22:00 DE 24/08/2008


LOTE 18 - 960 RÉIS 1816R - Recunho sobre Sevilha e ou Cádiz (ano 1813) Ferdin VII - mbc - AI 426
26,8 Gramas e 39mm. de diâmetro ( disco menor) Variante 5 A
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960004.jpg
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960005.jpg
Valor Inicial de Leilão = R$ 100,00

a) Tenho OFERTA de R$ 100,00 de Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza.

b) Tenho OFERTA de R$ 100,00 do Vilarouca de Fortaleza

c) Tenho OFERTA de R$ 110,00 do Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza

d) Tenho OFERTA de R$ 115,00 d0 Vilaroucade Fortaleza.

e) Tenho OFERTA DE R$ 120,00 do Pedro Henrique de Fortaleza

VENDA ENCERRADA ÀS 22:00 DE 24/08/2008


LOTE 19 - 960 RÉIS 1823 R - Recunho sobre Sevilha C.N. 1809 Ferdin VII - MBC - AI 504
26,9 Gramas e 40 mm. de diâmetro - OBS Pagina 56 nº 24 do Levy André Levy Marca USD 400,00 dólares
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960.jpg
http://s295.photobucket.com/albums/mm147/abibonds/moedas/?action=view&current=moeda960001.jpg
Valor Inicial de Leilão = R$ 190,00
a) Tenho OFERTA de R$ 190,00 do MARGRAF de Ponta Grossa - PR
b) Tenho OFERTA de R$ 220,00 do Guaragna de Porto Alegre
c) tenho OFERTA de R$ 240,00 do MARGRAF de Ponta Grossa - PR
d) Tenho OFERTA de R$ 250,00 do Guaragna de Porto Alegre
e) Tenho OFERTA de R$ 260,00 do MARGRAF de Ponta Grossa-PR

f) Tenho OFERTA de R$ 280,00 do Pedro Henrique Albuquerque de Fortaleza

h) Tenho OFERTA de R$ 290,00 do MARGRAF de Ponta Grossa - PR

i) Tenho OFERTA de R$ 330,00 do Guaragna de Porto Alegre

j) Tenho Oferta de R$ 350,00 do MARGRAF de Ponta Grossa

k) Tenho OFERTA de R$ 370,00 do Guaragna de Porto Alegre

l) Tenho OFERTA de R$ 380,00 do MARGRAF de Ponta Grossa.

VENDA ENCERRADA ÀS 22:00 DE 24/08/2008

17 de ago de 2008

QUEM INICIOU A NUMISMÁTICA BRASILEIRA DE FORMA PROFISSIONAL ?

QUEM, QUANDO, E DE QUE FORMA, A NUMISMÁTICA PROFISSIONAL NO BRASIL INICIOU-SE COMO TAL?

Não há como se falar em um início da Numismática Brasileira, sem falar sobre um personagem que está vivo ainda entre nós, pelos seus ensinamentos sobre a numismática.
Este cidadão, de origem Portuguesa, nasceu em 4 de agosto de 1852, na antiga villa de Cabeceiras de Basto, Freguezia de S. Nicolau, na então Província do Minho.
Pelas pesquisas, quando tinha ainda 13 anos de idade, em 1865, veio para o Brasil, e veio morar no Rio de Janeiro. Foi trabalhar no ramo comercial de uma pequena casa de couros.
Com espírito empreendedor, muito disciplinado e determinado em vencer na vida, em poucos anos juntou economias, e aliadas ainda, ao bom crédito que desfrutava, pelo seu prestígio que então conquistara, veio a fundar uma loja do mesmo ramo que trabalhava até então, na rua S. Pedro nº 99.
Com o decorrer dos anos, já bem sucedido em seus negócios, passou a dar vida a seus desejos e caprichos, dedicando-se com esmero e alegria nas horas de lazer, que então foi sua paixão predileta, a Numismática Brasileira.
Veio a iniciar sua coleção em 1885, com 33 anos de idade, embora o momento fosse desfavorável, pois na época o colecionador ou o numismata já era considerado como um "maníaco", mesmo assim, com fé e idealismo ele não desanimou e aguardou o momento certo, para divulgar e expor suas coleções.
Pouco a pouco e com a ajuda de seus amigos, também mestres e estudiosos no assunto como ele, no caso Julius Meili e Pedro Massena, acabou tornando possível, a todos, este momento propício.
Assim, já em 1903 ele já tinha uma notável coleção de moedas, medalhas e cédulas brasileiras, além de outras coleções de autógrafos, jornais antigos, de assuntos de mineralogia e outros. Tinha também, uma modesta coleção de moedas e medalhas portuguesas.
Mas como trabalhava com artigos de Couros, resolveu inaugurar um setor dentro de sua propria loja, para a permuta e venda de artigos colecionáveis, com certeza, a primeira e a única loja numismática existente naquela época no Brasil.
Já no início de 1905, resolve liquidar sua loja de Couros e substituir seus couros, peles e pelicas, por sua nova atividade comercial, e dali por diante, passou a dedicar-se exclusivamente, a Numismática Brasileira, a ponto de que sua residência na rua Bella de São Joao 115-b, passou a ser ponto de reunião de todos os aficcionados pelo colecionismo numismático.
Assim, nasceu a "Numismática Brasileira" de forma oficial, ou melhor, de forma profissional, podemos afirmar que foi a primeira pessoa que passou a ser um Numismata Profissional, pois seus sustentos já adviam desta nova atividade comercial.
Não que outros não fizessem seu negócios numismáticos, mas os outros faziam de forma esporádica e não exclusiva e profissional como ele.
Com seu tempo exclusivo para se dedicar a Numismática e fazendo exatamente o que gostava, em pról da sua mais elevada paixão, passou a produzir apreciadíssimos trabalhos e passou a ter vastíssimas relações, conseguindo assim "contagiar" muitas pessoas cultas e de destaque social, que alguns, diga-se de passagem, tornaram-se seus discípulos e também discípulos da grande seita dos "maníacos numismáticos", e da qual, ele, era o grande sacerdote.
Desta forma, lutando contra preconceitos, conquistando novos adeptos para o colecionismo numismático e encantando a todos com seus trabalhos publicados, a Numismática Brasileira, passou a ser respeitada e assim, passou à perenidade suas idéias, e podemos afirmar que se firmou a Numismática Brasileira tal qual como é hoje, por este começo e rumo, dado por este cidadão que no auge de suas atividades comerciais, teve a coragem, a perseverança, de carrear os recursos financeiros que então conquistara e apostar suas fichas e sua inteligência em prol da Numismática, dali por diante, de uma forma profissional.
Mas não parou aí, já em 1906, foi encarregado pelo Consulado Geral de Portugal, no Rio de Janeiro, de classificar e catalogar a Colleção Numismática do espólio de Joaquim Gomes de Souza Braga, toda ela de peças Portuguesas, cujo catálogo, bem organizado e contendo 250 páginas e 232 gravuras, foi publicado nesse mesmo ano e mereceu elogiosas referencias do erudito numismatógrafo Portugues, Dr. José Leite de Vasconcellos, que o cita em seu notável livro "Da Numismática em Portugal" página 230.
Com esta prática exercida e desta forma, adquiriu vastos conhecimentos e resolveu aprofundar-se ainda mais e passou a estudar e a se dedicar somente à sua Coleção Brasileira.
As obras de seu amigo e mestre, Julius Meili, eram todas escritas em alemão, assim, resolveu escrever o seu catálogo de sua coleção em português, e foi um grande acerto esta sua iniciativa, pois desde logo passou a se avaliar as suas verdadeiras proporções e vantagens a todos os brasileiros e principalmente aos adeptos e seus discípulos que só aumentavam, dali por diante.
Em 1908, publicou sua mais importante obra, o Catálogo de sua coleção, a monumental obra "Catálogo da Collecção Numismática Brasileira", Ilustrada com as principais peças de sua coleção e de exposição clara, abrindo assim, os horizontes para todos os outros estudos e catálogos sobre numismática brasileira, inclusive os mais recentes.
Estamos em 2008, já passaram 100 anos e este catálogo ainda é um dos mais completos até hoje. Este vasto trabalho, feito sob a mais rigorosa ordem histórica e cronológica, representa o resultado de pacientíssimos trabalhos de longos anos, e não mediu esforços, no dispêndio monetário para sua realização.
Na sua organização, procedeu a um plano de elevada observação técnica, e embora seguindo a obra de Julius Meili, seu inspirador e mestre, modificou alguns preceitos anteriormente estabelecidos, fez uma ampliação, deu modernidade, ofereceu assim, novas vantagens, e procedendo assim, formou uma obra de mérito que em nada desmerece com a de seu ilustre predecessor.
A imprensa da época, teceu-lhe os mais francos elogios, por esta grandiosa obra e o Juri Superior da Exposição Nacional de 1908, veio a lhe conferir o Grande Prêmio " por ser esse trabalho o primeiro do gênero no Brasil". Também foi premiado por este mesmo Juri, com o dintiguido "Grande Prêmio" pela coleção exposta pelo autor e "extra catálogo" a qual era aumentada com mais de 320 peças metálicas. ( moedas e medalhas).
Seu Catálogo de 1908, teve 500 exemplares, todos numerados e rubricados pelo autor, em esmerada edição. Sabe-se que o catálogo de nº 001 está de posse do Museu Histórico Nacional, o de nº 002 está em minha coleção particular e os demais exemplares, nas mãos dos 498 mais afortunados numismatas nacionais e internacionais, que devem se orgulhar por esta grande conquista, o de ter um exemplar deste catálogo que foi o marco inicial da Numismática Brasileira.
Como é de se esperar, nesta altura do texto, todos os leitores já devem saber de quem estou falando, do colecionador e numismata que contribuiu com a criação da Numismática Brasileira. Refiro-me ao reconhecido numismata, AUGUSTO DE SOUZA LOBO, o primeiro numismata profissional, que abdicou-se de suas atividades de comerciante de Couros, Peles e Pellicas, para se dedicar como profissional, na Numismática Brasileira, com loja e endereço conhecido.
Souza Lobo, fez várias viagens à Europa e à América, sempre em pesquisa de raridades numismáticas brasileiras, e manteve incessante correspondência com os mais adiantados colecionadores nacionais e internacionais.
O Catálogo da Collecção Numismática Brasileira, de Augusto de Souza Lobo, Illustrada segundo o sistema do insigne Numismatographo Sr. Julius Meili. Dividida da seguinte forma: I PARTE - Carimbos e Moedas coloniais desde 1643 a 1822; II PARTE - Moedas do Império, moedas e carimbos falsos, carimbos e moedas particulares, desde 1822 a 1889; III PARTE - Moedas da República, moedas falsas, moeda fiduciária e emissões abusivas. Rio Janeiro, 1908 - Esta obra compõe-se de um grosso volume "in-folio", papel glacê, com 302 páginas de texto + 5 retratos + 118 estampas, com 2.171 cliches de moedas, barras, moedas particulares, moedas falsas, carimbos, etc.
Ainda hoje, em 2008, pela importância da obra, pela grandiosidade de informações, é o mais completo catálogo de informações históricas do gênero.
AUGUSTO DE SOUZA LOBO, nasceu em 1852 e morreu em 1922. vitimado por uma syncope cardíaca, a morte ocorreu em 30 de Junho de 1922 na cidade do Rio de Janeiro, quando ainda cheio de entusiasmo, trabalhava em uma nova obra numismática.
Texto de autoria do numismata João Gualberto Abib, Membro da SNB - Sociedade Numismática Brasileira e da SNP - Sociedade Numismática Paranaense, em texto consultado, modificado e adaptado em partes, do texto original de autoria de Carlos D'Almeida Braga, publicado em 1933 na Revista Numismatica Brasileira, sobre a vida de Souza Lobo.

16 de ago de 2008

DESLIGAMENTO DA DIRETORIA DA SNP - Sociedade Numismática Paranaense

AOS AMIGOS DA COMUNIDADE NUMISMÁTICA.


Desde o dia 12 de Julho de 2008, pedi e fui prontamente atendido, do meu pedido de afastamento da DIRETORIA da SNP, cargo que ocupava de Diretor de Divulgação, que têm como principal atribuição o de manter a publicação do Boletim da SNP.
Como somente hoje, dia 16 de Agosto, em reunião na sede da SNP, foi empossado o Sr. Ederson Luiz Sobania, e-mail arauflex@uol.com.br , torno público este meu afastamento.
Como já no próximo mês, teremos a edição 35 do Boletim da Sociedade, solicito a todos os anunciantes que confirmem seus anúncios. Estas confirmações de anúncios poderão ocorrer já no próximo encontro que se realizará em S. Paulo na semana que vêm, comigo mesmo, ou com o Dênis Renaux que é o atual vice-presidente da Sociedade, que também lá estará presente.
Desejo sucesso ao novo diretor de divulgação da SNP, e peço especialmente, para o bem da sociedade, que contribuam com ele no que for preciso, para a continuação da edição dos Boletins da Sociedade.
Por outro lado, continuarei apenas como sócio e contribuirei na medida do possível, com o sucesso de nossa querida SNP.
Abraços a todos.
ps. Abaixo, pedido do meu afastamento para que todos tomem conhecimento.


CURITIBA, PR 12 de julho de 2008.


Á
SOCIEDADE NUMISMÁTICA PARANAENSE
AC/ Sr. Presidente Sr. Marcos Lepca e ou Secretário Sr. Antonio Tomáz.
Curitiba – PR.


Assunto: Demissão do Cargo de Diretor de Divulgação


Prezados Senhores:


Minha tarefa junto a esta sociedade numismática, já chegou ao fim. Peço em caráter IRREVOGÁVEL e IRRETRATÁVEL, minha demissão voluntária do Cargo de Diretor de Divulgação da S.N.P.

Foi um grande aprendizado e uma imensa satisfação o tempo que servi voluntariamente o cargo de Diretoria nesta sociedade, mas em vista de problemas estritamente particulares e de foro pessoal, decidi pedir meu afastamento junto a esta sociedade.

Continuo como membro ainda da S.N.P. e desta forma, sempre que possível, prestigiarei com minha presença, nos Encontros Anuais e em algumas reuniões da Sociedade, mas apenas como sócio.

Desejo sucesso aos que ficam na Diretoria e que lutam pela causa Numismática, e principalmente, agradecer a todos pela oportunidade que me deram para o desempenho de minhas atividades.

Para não suscitar dúvidas, especulações e ou mal entendidos, quero deixar claro que não guardo mágoas e ou ressentimentos a nenhum membro desta Sociedade e que esta minha decisão de afastamento deu-se por razões particulares.

Desde já, fico agradecido pelo pronto atendimento de minha decisão.

Atenciosamente


JOAO GUALBERTO ABIB
Membro da Sociedade Numismática Paranaense.

11 de ago de 2008

A FRAGILIDADE NO EXAME DAS MOEDAS EM LEILÃO, PELAS SOCIEDADES NUMISMÁTICAS

Recebi hoje, a listagem das peças que vão à leilão na Reunião Especial de 21 a 23 de Agosto de 2008, no Grand Hotel Ca'doro em São Paulo. Encontro numismático promovido pela SNB Sociedade Numismática Brasileira.
Se você meu amigo, ler as últimas duas matérias postadas neste BLOG, sobre as falsas moedas da China, vai entender minha preocupação.
Não me surpreenderia que daqui por diante, pela fragilidade operada praticamente por todas as Sociedades Numismáticas, no recebimento e na análise relâmpago das peças que são oferecidas à venda, possamos comprar peças falsas como verdadeiras.
Já na classificação das peças, não há somente um comprador que já não tivesse a surpresa de adquirir uma peça como SOBERBA e ela seria MBC. Se uma simples classificação de conservação passa batida, imagine uma apuração mais detalhada sobre falsificação de moeda.
Na atual conjuntura, as Sociedades Numismáticas ( todas sem exceção) deveriam já estar criando ou ao menos fazer valer as Diretorias Técnicas, no exame apurado das moedas que são oferecidas à venda, citando o peso, o diâmetro e porque não, as origens das moedas, como por exemplo, de qual coleção pertenceu.
Este meu apelo, é o mínimo que se poderia esperar das Sociedades Numismáticas, daqui por diante, pois o derrame de moedas falsas oferecidas no mercado de colecionáveis, já passou dos limites mínimos aceitáveis.
Por isso, não me surpreenderia, se algum colecionador vir a comprar moedas em leilões promovidos pelas Sociedades Numismáticas e alguma, passar batida, pelo avaliador e ou examinador do leilão e o comprador ser contemplado com moeda falsa.
Não preciso dizer que este meu alerta, poderá até vir um DESAGRAVO, por parte de alguma Sociedade Numismática, que poderá se sentir prejudicada devido a esta abordagem publicada em meu BLOG. Mas, seria meu desejo, ver as SOCIEDADES NUMISMÁTICAS, reconhecerem as fragilidades existentes e criarem um sistema de apuração e exame das moedas que oferecem à venda, só assim, teremos tranquilidade e confiança em comprar moedas RARAS sem surpresa de estar comprando GATO por LEBRE.
Texto de autoria de Joao Gualberto Abib

AFINAL? QUEM COMPROU OS 2.000 RÉIS 1867 e 1886 FALSOS DA CHINA?

Todos querem saber se alguém comprou estas moedas de 2.000 Réis de 1867 e 1886, falsos da China, na V.S.O. ( venda sob oferta) promovida pela SNP - Sociedade Numismática Paranaense no mês de abril de 2008.
Para minha surpresa, mesmo em leilão, com toda a publicidade necessária, com a fama adquirida pela matéria publicada no Boletim nº 34 da SNP em Abril, as mesmas moedas não tiveram nenhum lance.
Bem, retirei as moedas e coloquei à venda no Mercado Livre. Foi anunciado em "compre já" por um preço um pouco superior ao preço mínimo de 600,00 para as duas moedas, anúncio de 15 dias. ( sempre salientando que se tratava de moedas falsas e citava artigo publicado no Boletim).
Mesmo assim, depois de 15 dias, não houve a venda das mesmas moedas, aí pensei, é bom eu retirá-las do anúncio e ficar com elas em minha coleção mesmo.
Mas o inesperado estava para acontecer, pois os Boletins da S.N.P. ainda estavam sendo entregues pelos correios aos associados, e eis que para minha surpresa, recebi uma ligação do meu amigo e associado da SNP, Sr. Pedro Pinto Balsemão, o qual, após breve comentário sobre o texto destas moedas, queria saber se eu já havia vendido as mesmas. Disse-lhe que as moedas já estavam em minha coleção e que assim ficariam.
Bem, depois de muita insistência e pelo desejo do meu amigo, acabei cedendo, após receber uma proposta irrecusável e por um preço BEM SUPERIOR ao valor inicial do Leilão. Assim estas, foram enviadas para a coleção do reconhecido gravador Sr. Pedro Pinto Balsemão.
Quando estive agora, no Encontro Numismático, no ínicio do mês de agosto entre 01 e 03, em Florianópolis, tive a satisfação em falar com o Sr. Balsemão, nossa conversa girou em torno das falsificações de moedas da China, e não só de moedas brasileiras. Lá mesmo, neste encontro, vários comerciantes tinham em seus estoques moedas de 8 Reales ( base para patacão 960 Réis) todos falsos.
Não que estes comerciantes tinham conhecimento, é que foram ludibriados mesmo, mas oferecendo a outros comerciantes e até mesmo colecionadores mais avançados, receberam com surpresa inesperada, a sentença de que tinham em seus estoques moedas falsas.
Por isso, meus amigos, tanto eu como o Balsemão, somos da mesma tese que os colecionadores observem bem as moedas que estão comprando, confiram o diâmetro, o peso, a coloração e outros detalhes e mesmo que não se convençam, não hesitem em consultar pessoas mais aprofundadas em conhecimentos numismáticos, afim de que haja uma certa garantia das peças que estão comprando. Que perguntem aos vendedores de qual coleção a moeda rara pertenceu, como foi adquirida, se foi através de leilões de Sociedades Numismáticas. Tudo isto torna-se uma garantia adicional do que estão comprando.
Resumindo e voltando ao assunto das moedas falsas da China, o próprio Balsemão se surpreendeu com a qualidade das moedas que agora fazem parte de sua coleção.
Fica aqui para conhecimento de todos e para saciar a curiosidade, com quem ficou as moedas, agora famosas, "moedas falsas da china", objetos de matéria publicada no Boletim da SNP e também, fica aqui um alerta sobre a grande quantidade de moedas falsas que correm à solta por aí, à procura de incautos e gananciosos.
Texto de João Gualberto Abib para o BLOG.

2.000 RÉIS 1867 e 1886 FALSOS DA CHINA


Depois de passar uma temporada na praia, “morgando e lagartiando” e voltando no dia 12 de janeiro e já com muita saudade da civilização e como não deixar de ser também da INTERNET, essa ferramenta que já está inserida em nossas vidas, a qual nos propicia a CAÇA AO TESOURO em várias partes do mundo e tudo isso com o apertar de uns poucos botões do computador.


Já no dia 13 de janeiro de 2008, visitando algumas páginas no site de Leilões internacionais do Ebay, me deparei com o anúncio de duas moedas ESCASSAS do Brasil, sendo uma de 2.000 Réis do ano de 1867 que é catalogada com número 626 do Catálogo de Moedas do Brasil e marca preços de R$ 1.600,00/MBC – R$ 2.800,00/SOB. e R$ 4.200,00/FC e a outra moeda também de 2.000 Réis sendo que esta do ano de 1886, catalogada com número 656, marcando em Catálogo R$1.000,00/MBC – R$ 2.000,00/SOB. – R$ 3.000,00/FC.


A intuição me dizia que algo de errado estava acontecendo, pois, não poderia estar sendo leiloado a preços tão baixos as duas moedas e ainda por vendedores distintos, embora ambos da China, o primeiro é o XINLIANXIN2007 e o segundo é o JINXINYUAN1966, com um detalhe coincidente que os vendedores eram da mesma cidade de BEIJING – CHINA. Os dois leilões se encerrariam dia 16 de janeiro de 2008.


Mas, como é de se esperar o sangue árabe (como diz o amigo Antonio Tomaz) falou mais alto. Como diz minha velha avó materna, se temos dois olhos podemos sempre arriscar um deles, e assim dei lance nas duas moedas e como no anúncio de ambas não relatava que se tratava de moedas falsas, a esperança é a última que morre.


Acabei arrematando-as pelos preços iniciais de leilão, uma saindo a 117,99 dólares e a outra a 99,90 dólares, incluindo os fretes de 28,00 dólares de uma e 25,00 dólares de outra e mais um seguro de 3,00 dólares para cada uma delas.


Mas algo estava errado, pois fui o único que deu lance nas mesmas, assim como é de se esperar, um pequeno desespero bate nesta hora e num momento de reflexão, pensei: - Que “nhaca” fui fazer ao arrematar as moedas. Mas, vá lá, pedágio a gente sempre paga, para tudo nesta vida e até para ir para a outra pagamos em forma de dízimo e doações. Veio enfim a calmaria da alma, quando nos conformamos com o desarranjo já feito.


Bem... Esperava que a encomenda fosse demorar, pois vinha da China do outro lado do mundo, talvez uns 20 a 30 dias, isto depois da compra, mas para surpresa, a encomenda chegou em menos de 3 dias da data da postagem, ganhando até das encomendas que sempre faço nos Países Europeus, quando as postagens são feitas pela famosa e excelente empresa de transportes a FEDEX ou FEDERAL EXPRESS.

Acabou chegando pela empresa mais rápida em entregas que conheci na vida. Agora também famosa (para mim) a Chinesa....”EMS”......e pelos conhecimentos de transportes, comprova-se que os vendedores são distintos e entregaram para remessa no mesmo dia 16/01/08, ambos pela mesma empresa de postagem. Vejam abaixo fac-símile dos comprovantes. Será mesmo que são distintos os vendedores ???


Enfim, a dúvida estava chegando ao fim. Examinei as moedas com lupas, fiz imagens scaneadas por computador e por estas imagens nada pude perceber, somente que talvez, as mesmas fossem realmente verdadeiras. Era a ...... “maldita esperança que é a ultima que morre”.


Pensei assim, se as mesmas fossem falsas, deveria aparecer a data ADULTERADA, uma côr um pouco diferente na data, talvez algo que eu poderia descobrir, mas mesmo assim, refleti um pouco e pensei: vou levar a um amigo colecionador, pessoa que conheci neste mercado, embora sócio da SNB e morando em Curitiba, não é sócio ainda da nossa querida SNP, mas após exaustivos convites, o mesmo prometeu que vai se filiar também na SNP, eu fiquei de levar a ficha para sua inscrição. Mas esta é outra história.


Mas voltando ao assunto, pensei assim: se o amigo Numismata, que é pra mim o maior colecionador (que eu conheço) de moedas do 3° Sistema Monetário, e tendo conhecimento que ele já fechou 7 coleções completas, se ele ENGOLIR estas moedas como VERDADEIRAS é porque são VERDADEIRAS MESMO. Com tanta coleção fechada destas moedas deste mesmo período, ele não se deixaria enganar.


Assim fui ao encontro do amigo e mostrei as moedas em questão e já salientei que eu mesmo estava em dúvida quanto a autenticidade das mesmas, já a primeira coisa que ele fez foi pesá-las, a de 1886 pesou 24,3 gramas e a outra de 1867 pesou 24,8 gramas. Ambas pelo peso oficial deveriam pesar 25,5 gramas e isto não estaria batendo, mas por outra análise, as folhas da moeda de 1886, examinadas por lupas, em comparação com outras do mesmo ano, não estavam bem nítidas. Assim, como a do ano de 1867, o número 7, olhando para a moeda horizontalmente, este número 7 está ligeiramente levantado, levando a crer que o mesmo foi implantado ali.

Após estas pequenas análises, chegamos a um veredicto unânime, sentenciamos de comum acôrdo com o amigo colecionador, o seguinte: a) que ambas são falsas; b) que ambas foram bem feitas; c) que devemos cuidar daqui pra frente com todas as moedas vindas da China; d) Que “negócio da China é bom para Chinês e não para Brasileiro. Ponto final.


Voltando agora aos vendedores do EBAY, eu mesmo qualifiquei-os “positivamente”, pois não acharia correto “negativá-los” junto ao mercado, pois minha consciência e mediocridade não chegariam a este ponto. Alguns até podem discordar de que eu fazendo qualificação positiva não seria o correto, mas vamos refletir: se as mesmas moedas fossem verdadeiras elas estariam sendo vendidas muito, mas muito abaixo de preço??? Mesmo que fossem estas vendas na China??? Claro que não. O mundo hoje em que vivemos é um mundo com excesso de informações, ninguém que tenha o domínio de colocar produtos em venda no EBAY, seria ignorante o suficiente em não utilizar a mesma ferramenta da Internet para buscar o verdadeiro valor de uma raridade. Isto justificaria o preço bem abaixo de mercado.


Isto vem a provar que eles, os vendedores, estão atrás de INCAUTOS, mas eu, como Numismata, não posso me considerar um incauto, pois com meu conhecimento, já no fundo, no fundo, esperava que as moedas fossem falsas mesmo e por este raciocínio, achei que seria injusto dar qualificações negativas aos mesmos.


Afinal a opção em entrar nesta aventura, deu-se no exato momento quando dei lance em ambas as moedas, mesmo tendo avaliado que assim como poderiam ser verdadeiras, poderiam ser falsas, devido ao preço que estavam sendo ofertadas e ainda com a observação que até o momento que dei os lances, no dia 13 até o dia 16 de janeiro, quando finalizou os leilões, o meu lance foi o único e arrematei por preço inicial.


Aventura é isso aí, é comprar da China, mesmo que as possibilidades de receber moedas verdadeiras sejam remotamente improváveis. Este é o alerta que faço aos colecionadores.

Maior aventura do que eu fiz, fará o felizardo comprador que por ventura der lance e sair ganhador dessas duas moedas FALSAS DA CHINA, pois ambas estão em venda sob oferta na SNP., com preço inicial, de R$ 300,00 cada uma. (leilão ocorrido em abril de 2008)


Entretanto, este felizardo ganhador, não poderá nem ao menos sentir o gostinho da dúvida como eu, ora pensando em recebê-las verdadeiras e ora pensando em recebê-las falsas, pois afinal estará comprando estas moedas com PEDIGREE, em envelope da SNP, afirmando tratar-se de moedas falsas.


Ainda mais com toda esta publicidade acerca dessas, por este texto publicado no Boletim da SNP, com os documentos fartamente expostos e publicados, vem a atestar as origens das mesmas, a forma que foram adquiridas e a conclusão inequívoca de que ambas são falsas.

Só falta agora o improvável do improvável, as mesmas, atingirem preços acima do lance inicial, pois afinal, com toda esta exposição, estas duas moedas já estão famosas e entram para a História da Numismática Brasileira como “2.000 RÉIS FALSOS DA CHINA”.


Texto Original publicado no Boletim n° 34 da Sociedade Numismática Paranaense, de Abril/2008, nas páginas 07 a 12. Texto de Autoria de João Gualberto Abib.
As imagens dos documentos da compra só foram publicados no Boletim da SNP. Somente as imagens das moedas foram publicadas neste BLOG.


6 de ago de 2008

BILHETES FALSOS EM 1850 - JORNAL O GRITO NACIONAL

Já se foram 158 anos, e esta notícia foi histórica, primeiramente publicada no Diário do Rio e depois, transcrito para a Capa da edição nº 218 do Jornal O Grito Nacional em 07 de Dezembro de 1850.
O título da notícia " Os Portugueses e ainda a moeda falsa". O texto afirma: fábrica de bilhetes falsos do Império, mais adiante diz que foi apreendido 4 chapas de gravuras, sendo uma de 20 Mil Réis, da 3ª Série; outra de 20 Mil Réis da 1ª Série; outra de 50 Mil Réis da 1ª Série e a última com assinaturas dos mesmos bilhetes com os nomes de Joaquim Coelho de Oliveira e Manoel José Duarte. Mais um total de 14 Contos de Réis de bilhetes já cunhados, bem como demais utensílios usados neste fabrico. Tudo apreendido na casa do abridor (abridor de cunhos) Antonio Mendes Braga e na mão de outros indivíduos, que se ocupavam em vendê-los, e que todos se acham agora presos. Foi apreendido também, em diversas casas, cunhos de fazer soberanos ( moedas de ouro) e grande quantidade de moeda falsa, a saber: soberanos, meias onças, quartos de onças e etc.
Esta foi a notícia publicada há mais de um século e meio, mas a pergunta que fica aos estudiosos: hoje, qual número de catálogo levam as Cédulas (bilhetes)?? Alguém poderia elucidar esta notícia, apontando os tipos de cédulas e os anos, pelas informações então publicadas?? citando os números que levam nos catálogos, como o Livro das Cédulas do Brasil de 1833 a 2007 de Claudio Amato e outros edição de 2007.
A Numismática brasileira precisa desta resposta, caso voce leia e saiba decifrar este enigma, não hesite em informar.
Quem desejar uma cópia do exemplar "original" nº 218 c/ apenas 4 páginas do Jornal "O Grito Nacional", solicite-me por e-mail e enviarei ao custo de R$ 20,00 já incluso custo dos correios. Excelente peça para estudo.
A coleção original de todos os exemplares do Jornal " O Grito Nacional" que circulou no Rio de Janeiro, no ano de 1850, de janeiro a dezembro, faz parte de meu acervo e aos poucos, toda passagem que tratar-se sobre moedas e ou cédulas brasileiras, será a seu tempo disponibilizado neste BLOG.
Autoria deste texto: Joao Gualberto Abib, Numismata de Curitiba - PR